No meio de uma mobilização e uma operação de segurança digno de uma guerra, o Brasil dedicou-se este fim-de-semana para dar uma nova batalha-chave em prol da educação. Com o número recorde de 7,1 milhões de estudantes inscritos, durante o sábado e o domingo rendeu-se em 1661 municípios do país, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), cujo resultado é a chave para o acesso às universidades estaduais.

O Enem, que mede a qualidade do ensino médio, é considerado a principal porta de entrada para as universidades públicas brasileiras, é a segunda maior prova de acesso universitário do mundo, perdendo apenas para a China.

Para atender os 7.173.574 estudantes que fizeram o exame em 15.500 locais (mesmo prisões), o Ministério da Educação contou com 648.000 funcionários, entre coordenadores estaduais, municipais e locais de aplicação das provas, chefes de sala, fiscais e pessoal de apoio, entre os quais havia 25.000 policiais e do exército, que garantiram a segurança. Como já é de costume, a maioria (58,3%) dos que tomaram o exame são mulheres, e, como também foi o caso nos últimos três anos, a maioria (56%) são negros e mulatos.

O Enem, além de crescer em número de candidatos, tornou-se cada vez mais inclusivo. Por meio de isenções de pagamento, cada vez mais candidatos de baixa renda têm acesso ao exame, que hoje se destaca como uma das principais portas de acesso ao ensino superior. Segundo dados do Ministério da Educação to do o processo tem um custo de cerca de 163 milhões de dólares.

O Enem se passa agora por dois dias de provas (quatro horas e meia no sábado e cinco horas e meia no domingo) em que os alunos devem responder 180 questões de múltipla escolha (com cinco alternativas cada uma e fazer uma redação de dissertação e argumentação sobre um tema diferente a cada ano (“Viver em rede no século XXI: os limites entre o público e o privado”, e “O movimento inmigratorio para o Brasil no século XXI”, foram os temas dos últimos dois anos).

São testados os conhecimentos em biologia, física, química, história, geografia, filosofia e sociologia, matemática, educação física, tecnologia da informação e comunicação, artes, português, literatura e língua estrangeira (espanhol ou inglês).

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *