Quando a economia brasileira vai crescer novamente? Expectativas para 2020

Espera que a economia brasileira cresça 2,22% até 2020 pode ser algo impossível. Para 2019, a média das projeções é de 0,99%. Estas são as previsões de algumas das principais consultorias e instituições econômicas do Brasil, ouvidas todas as semanas pelo Boletim Focus do Banco Central Brasileiro. O crescimento de 0,6% do PIB registrado no terceiro trimestre de 2019, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tornou economistas e analistas mais otimistas.

Depois de um ano marcado pela aprovação da reforma das pensões e da Segurança Social, em 2020 O Brasil tem mais um ano de reformas para enfrentar. É isto que os investidores, as instituições internacionais, como o FMI e o Banco Mundial, e a equipa económica do próprio governo atual querem. Fazê-lo em meio a eleições locais e a divisão do partido que elegeu o Presidente Jair Bolsonaro e a fragilidade da base governante, no entanto, não será fácil.

Algumas propostas que poderiam ter começado a ser discutidas pelos oradores de ambas as câmaras do Congresso este ano, ligadas a uma reforma fiscal, por exemplo, foram adiadas para 2020. Diante da explosão de protestos em vários vizinhos latino-americanos, a decisão do governo e do Congresso foi pisar no freio de grandes mudanças por enquanto.

Autoridades da indústria também pediram cautela depois que o Presidente dos EUA, Donald Trump, acusou o Brasil e a Argentina de manipular a taxa de câmbio e disse que iria sobrecarregar o aço produzido em ambos os países da América Latina. Na sexta-feira passada (20), Bolsonaro disse em um vídeo ao vivo que, após uma conversa telefônica, o presidente americano havia desistido de taxar o aço brasileiro e o alumínio. Mas na realidade, jornalistas que cobriam a Casa Branca disseram que era tudo bluff do presidente dos EUA, e que o aço Brasileiro nunca seria realmente sobrecarregado.

De acordo com o jornal O Globo, em uma reunião com executivos da indústria química em dezembro deste ano, o Ministro da economia Paulo Guedes teria afirmado que não deixaria a indústria estrangeira avançar sobre a indústria nacional antes que haja uma simplificação dos impostos no país. “É uma abertura gradual … e será baseada em energia barata, custos logísticos mais baratos”, disse Guedes.

Russomanno e Marta Suplicy são candidatos mais fortes para Prefeitura de São Paulo em 2020

Celso Russomano vs Marta

Ainda não se sabe ao certo qual vai ser a data das eleições municipais de 2020, entretanto, a corrida já está à postos e alguns nomes já se fortaleceram nas urnas mesmo antes de sair a lista geral de candidatos a Prefeitura de SP 2020. Entre eles, está o jornalista e deputado Celso Russomanno (Republicanos) e a ex-prefeita da capital paulista, Marta Suplicy.

De acordo com a última pesquisa realizada pela Empresa Brada Comunicação para a corrida de candidaturas para a prefeitura de São Paulo Celso Russomanno conta com 16% das intenções de voto, enquanto que a margem da Marta Suplicy está em 13%, uma corrida acirrada até o momento. O atual prefeito da cidade, Bruno Covas (PSDB) aparece em terceiro lugar, com 11,2% das intenções de voto.

A pesquisa entrevistou 2.048 pessoas de 8 a 10 de janeiro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais e o registro no TSE é o SP-05510/2020. Vale considerar que a pesquisa foi realizada antes da pandemia do novo coronavírus mudar o ruo eleitoral de todo o Brasil, sobretudo na política. Por isso, ainda não é certo saber se ambos estão liderando as corridas para a prefeitura de São Paulo. Mesmo assim, vale considerar esses nomes como os mais fortes até a liberação geral da lista de candidatos, o que vai acontecer até setembro de acordo com o calendário do Supremo Tribunal Eleitoral (TSE). 

Celso Russomano vs Marta

Divulgação da primeira pesquisa eleitoral para São Paulo em 2020

Os entrevistados foram perguntados sobre qual tipo de pensamento o próximo representante deveria ter dentro da Prefeitura. Os resultados foram:

  • 53,8% – preferem 1 prefeito com “pensamento moderno”;
  • 36,5% – preferem 1 prefeito com “pensamento conservadores”;
  • 8,2% – se dizem indiferentes;
  • 1,5% – não sabe/não respondeu.

O levantamento também ouviu dos entrevistados a possibilidade sobre eleição de cabo eleitoral. As respostas dos entrevistados foram:  s39,6% – preferem 1 candidato apoiado pelo ex-presidente Lula;

  • 24,3% – preferem 1 candidato apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro;
  • 14,3% – preferem 1 candidato apoiado pelo governador João Doria (PSDB);
  • 18,7% – preferem 1 candidato que não seja apoiado por nenhum nome;
  • 1,8% – não sabe;
  • 1,3% – se diz indiferente.

Qual é o percentual de aprovação do atual prefeito Covas?

A pesquisa também avaliou o índice de aprovação do atual prefeitura Bruno Covas (PSDB). Ao todo, 55,5% disse reprovar a gestão, enquanto outros 26,7% aprovaram a administração. O restante dos 17,8% entrevistados preferiram não responder.